Post Exclusivo

Vinil Review
01 junho 2017

Herbie Hancock em foco

Caros amigos do Vinil Review,
​Estamos de volta dando continuidade aos artigos sobre pianistas fantásticos que amamos e que construíram uma história que influenciou gerações. ​Como já escrevi por aqui, tenho verdadeira admiração por alguns pianistas que me deixaram arrepiado com tanta beleza, criatividade e composições que marcaram presença em várias gravações, regravações, gigs e motivo de estudo profundo em escolas de música pelo mundo afora. Hoje tenho o prazer de falar sobre Herbie Hancock. Meus caros, Herbie é muito especial. Por que?

​É uma personalidade mundial, respeitado por ser um cara dedicado ao bem, religioso ( budista muito convicto ) e inovador sempre.
Nasceu na incrível e importante cidade de Chicago em 12 de abril de 1940. Prodígio, começou a estudar com apenas 7 anos e adorava Mozart. Fez uma apresentação com a Sinfônica de Chicago com 11 anos. Como a maioria dos grandes Mestres, Herbie estudou na Universidade de Grinnell e logo depois foi descoberto por Donald Bird, que em 1961o convidou para integrar a sua banda, em Nova York. ​Logo chamou a atenção das gravadoras e a icônica Blue Note lhe ofereceu um contrato e assim gravou o seu primeiro Álbum TAKIN OFF.


​Seguindo a rota dos grandes e muito especiais músicos, Miles Davis fez aquela proposta que todo músico sonhava ter um dia ; Tocar no seu quinteto. ​A formação era Ron Carter no baixo acústico, Tony Williams na bateria, Wayne Shorter no sax. Essa mesma banda, com um dos meus favoritos forever ​Freddie Hubbard , formaram a V.S.O.P.  ​Tocar com Miles não foi nada fácil, pois o genioso músico pegava no pé de todos e tem um vídeo gravado em Milão na Itália, que Herbie leva um pito de Miles ​no palco, constrangedor. Um acorde errado deixa Miles furioso e depois de um olhar matador passa pelo querido pianista e solta palavras duras. Ver vídeo no minuto 40:40 em diante.

 

Herbie conta histórias com Miles em um vídeo. Vejam o vídeo abaixo.

 

 

Esse casamento durou 5 anos mas Hancock estava atento ao seu trabalho e pesquisas sonoras e teve um contato importante com o Fender Rhodes, lendário piano elétrico, introduzindo pedais de efeitos em suas novas criações. Assim como Miles, começou a buscar novos caminhos mas nunca abandonando o jazz. Com o V.S.O.P. gravou discos antológicos, assim como também os primeiros discos eletrônicos, com ritmos complexos e timbres criados por ele.


Uma coisa bem interessante. Maden Voyage foi criado como trilha sonora para um comercial de televisão e depois por insistência do Wayne Shorter começaram a tocá-la em suas turnês e virou marca registrada da banda. É uma das músicas preferidas do Herbie. Ver video abaixo. Com o talentosíssimo Joey Alexander…Novo menino prodigio assim com Herbie.

 

Esse monstro sagrado não parou mais de produzir e após alguns álbums premiados com o grammy fazendo música eletrônica, começou a reescrever grandes sucessos pops, um projeto ousado, com grandes nomes e mostrando toda a sua linguagem harmônica belíssima, transformando totalmente as composições com um toque elegante e ao mesmo tempo fácil para ouvir. THE NEW STANDARTS.
Um sucesso estrondoso, atingindo um público muito maior e cada vez mais respeitado na indústria musical.

Para completar essa fase, assinou a trilha sonora de Round Midnight que lhe rendeu o Oscar…Que danado esse Herbie não! O Miles deve ter sentido um boa invejinha….A obra do grande mestre pianista e também tecladista incrível é imensa. Sempre com o piano como protagonista, produziu mais discos incríveis, que também lhe renderam mais grammys, em um total de 14, com 34 indicações, sendo que um deles, o de melhor disco do ano. O prêmio mais importante. RIVER: THE JONI LETTERS Aqui a relação completa dos prêmios e indicações: https://www.grammy.com/grammys/artists/herbie-hancock

 

Eu adoro o Álbum POSSIBILITIES, com monstros sagrados do pop como Christina Aguilera cantando A Song for You do Leon Russel, autor também de This Masquerade imortalizada com George Benson e também, porque não com os Carpenters,John Mayer, Santana, Paul Simon…Uma constelação.

 

CoreaHancock” é obrigatório, pois essa parceria com Chick Corea é antológica. Corea merece uma resenha especial aqui. Amado por muito de nós.
The Imagine Project é maravilhoso e tem a participação da brasileira Céu. Mas o ponto alto é Imagine com Pink e Seal e o Grupo Oumou Sangaré. Obra prima:

 

Eu poderia ficar muito tempo escrevendo sobre esse grande ídolo. Tantos momentos lindos, ousados, criativos…
Eu adoro a sua construção harmônica, sempre surpreendente, que nos faz repensar sempre e ouvir com muito prazer. A polirritmia também é um caso a parte. Intrigantes combinações ritmicas com um resultado fantástico. Herbie constantemente é convidado por grandes Universidades, como Havard, para falar sobre a alma da música, de como o budismo o ajudou e conselhos para a nova geração. Tudo com muito amor.


O amor que muitas vezes fica adormecido, nesse mundo cada vez mais violento e carente.
Esse grande Mestre mostra o caminho. É só tentar seguir para sermos pessoas melhores, com mais sabedoria e compartilhar a união, outra coisa muito necessária na nossa classe musical.

Bom meus caros..
Um pouco do nosso querido Herbie Hancock.

Espero que gostem, façam comentários e perguntem o que quiserem. Vamos interagir?
Logo logo mais novidades.

Até a próxima.
Amor, luz e paz !

Flávio Franco Araújo

Comentários

Comentários

|

Deixe um Comentário