Post Exclusivo

Vinil Review
14 junho 2017

Andre Ceccarelli “Dedé”

Andre Ceccarelli é um monumento da bateria na França. Conheci o Dedé nos meados dos anos 80, o que foi uma revelação pra mim. Desde lá venho acompanhando o percurso dele. Filho de pai baterista, ele começou sua carreira aos 15 anos de idade em Nice, sua cidade natal do sul da França. A lista de gente com quem ele tocou nesses últimos quase 60 anos não caberia aqui. Ceccarelli tem un estilo único,  muita personalidade e inúmeras qualidades ao meu ver, sendo a fluidez talvez a mais importante. O som dele é sem arestas, com dinâmicas e nuances a cada compasso, comparáveis talvez à musica dos grandes pianistas clássicos. As sonoridades são muito puras, o seu senso do « tempo » muito musical.

Andre Cecarelli e Silvano Michelino dividindo espaço na capa da revista “Batteur”

 

Suas baladas soam lay back , mesmo se o andamento não se mexe de uma palha. Ele gosta de dizer que os elementos da bateria não tem pra ele um papel definido.Um prato pode virar caixa, um tontom virar chimbau e etc. Auto didata, ele nunca teve um baterista idolo que o tenha inspirado e ele aconselha aos jovens em suas master-classes, seguirem esse exemplo dizendo: Ouçam os mestres se quiserem mas sobretudo ascendam as luzes que estão em vocês. Aconselho o ultimo cd dele chamado justamente « Ultimo ». Recheado de baladas, com sofisticadíssimos arranjos de orquestra, esse cd é o ultimo que ele fará em seu nome e essa decisão de parar ali, lhe deu uma leveza libertadora. Não é um  “disco de baterista” , embora sua arte do swing esteja no seu ápice, mas um disco de canções onde ele reuniu seu melhores amigos.

Aconselho tambem seu « Trio Sud », com seus incríveis comparsas de longa data, Sylvain Luc na guitarra e Jean Marc Jafet no baixo. (há tambem vídeos com o Richard Bona no baixo)

Termino contando, pra descrever um pouco mais o personagem, que nunca vi o Andre satisfeito depois de um gig. Ele diz que

“os momentos perfeitos duram apenas alguns segundos, ou até mesmo uma unica nota, aquela que fica gravada na memória como um troféu”.

Silvano Michelino

Comentários

Comentários

|