Post Exclusivo

Vinil Review
22 junho 2017

Caçadores de Cabeça – Herbie Hancock

Head Hunters é o décimo segundo álbum de estúdio do pianista e compositor americano Herbie Hancock, lançado em 1973 pela Columbia Records. As sessões de gravação para o álbum ocorreram durante uma noite no Wally Heider Studios em São Francisco, Califórnia.

Head Hunters é um marco na carreira de Hancock em um momento decisivo no gênero Jazz e sua fusão com outros estilos. O álbum está na lista da revista Rolling Stone como um dos 500 maiores álbuns de todos os tempos.

Em 2007, a Biblioteca do Congresso Americano adicionou-o ao Registro Nacional de Gravações, que recolhe gravações sonoras “culturalmente, historicamente e esteticamente importantes” do século XX.

Head Hunters seguiu uma série de álbuns experimentais do sexteto de Hancock: Mwandishi (1970), Crossings (1971) e Sextant (1973), lançados em um momento em que Hancock estava procurando uma nova direção para levar sua Música:

 

“Eu comecei a sentir que  estava passando muito tempo explorando a atmosfera superior da Música e o tipo mais etéreo de coisas espaciais distantes. Senti a necessidade de descer um pouco mais na Terra e me sentir um pouco mais conectado, em uma comunhão maior com o mundo… Eu estava começando a sentir que estávamos tocando música pesada, e eu estava cansado de tudo ser pesado. Eu queria tocar algo mais leve”. (Hancock: notas da edição de CD de 1997).

 

 

Para o novo álbum, Hancock montou uma nova banda, Headhunters, com Bennie Maupin, sopros, Bill Summers, percussão, Paul Jackson, contrabaixo e Harvey Mason na bateria. O álbum tem um toque relaxado e “funky”, o que trouxe um público muito mais amplo, em uma interessante fusão. Das quatro faixas do álbum “Watermelon Man” foi a única composição que não foi escrita para o álbum. A Música foi criada dos duros dias de hipoteca da casa de Hancock, originalmente aparecendo em seu primeiro álbum Takin ‘Off. Foi recriada por Hancock e Mason e tem uma introdução com Bill Summers soprando uma garrafa de cerveja, imitando o Hindewho, um instrumento da tribo dos Pigmes Mbuti, do Nordeste do Zaire. Tema com uso intenso de percussão africana. “Sly” foi dedicado ao músico pioneiro do Funk, Sly Stone, líder da Sly & the Family Stone. “Chameleon”, a faixa de abertura, tem uma famosa frase de baixo na introdução tocada em um sintetizador ARP Odyssey além de Hancock tocar piano elétrico Fender Rhodes, Clavinete e sintetizadores.

 

Após a sua versão inicial, o álbum também foi editado no formato Quadraphonic, som de 4 canais, lançado pela Columbia em 1974 nos formatos de vinil e fita de 8 faixas, com elementos de áudio não ouvidos na versão estéreo, incluindo uma melodia de teclado de 2 segundos no início de “Sly”. Na edição do CD de 1992, foi o álbum de Jazz mais vendido de todos os tempos e inspiração não só para músicos de jazz, mas também para artistas de Funk, Soul music, Jazz Funk e Hip Hop.A imagem na capa do álbum, desenhada por Victor Moscoso, baseia-se na máscara Kple Kple da tribo africana Baoulé, da Costa do Marfim. A imagem também é baseada em demagnetizadores de cabeçotes de fitas usados ​​no equipamento de gravação.

 

Duda Neves

 

 

Comentários

Comentários

|