Post Exclusivo

Vinil Review
27 setembro 2017

Um Pôr-do-Sol com Heraldo do Monte

Heraldo do Monte é um exemplo de que com os anos veio a sabedoria. Digo a sabedoria ao tocar, não tem nota sobrando, tudo o que está lá tem sua razão de estar. Os anos que passou tocando tudo que encontrasse pela frente, sem recusar trabalho, além do convívio com outros Mestres da música, fizeram com que acumulasse muita informação musical. Misturando estilos, da música Regional, pasasando pela música popular e o Jazz , filtrados na convicção pessoal do músico, resultaram numa música  madura , não só no sentido da passagem do tempo mas já com todos os atributos da grande Arte.

Ao focar nos ritmos nordestinos e fugir da influência dos guitarristas de fora, Heraldo se consolida como um expoente da Guitarra Brasileira. Nesse disco “Guitarra Brasileira”(2004) em que suas composições captam as características de cada região brasileira, tão diversas em ritmos e particularidades, destaco a faixa Pôr-do-Sol em Boa Viagem. Com um timbre caloroso, com pouco ou nenhum efeito entre o sinal da guitarra até o amplificador, o timbre é tirado na” mão”. Com um solo de enorme bom gosto, transmite a paz que o título sugere. Com um vocabulário rico em fraseado, ora ligando, ora palhetando mas sempre resolvendo de forma a manter a atmosfera da música, Heraldo escancara a riqueza de nossa música.

Me recordo ainda adolescente adquirindo o disco “Cordas Vivas” na Loja Baratos Afins no Centro de SP, um nova janela de possibilidades para o instrumento se abriu, pensei:

“O cara é o Mclaughlin do Sertão, criando uma textura densa no uso das cordas” (Ouçam “Teia de Aranha e Mordida de Abelha”).

Depois desse disco, abri meus olhos para o som do Heraldo do Monte.

 

 

João Carlos

 



Comentários

Comentários

|